xhamster xvideos pornhub redtube xxx thumbzilla

Encontro FLE: Que Serviço Público de Educação Queremos para Portugal?

Data de publicação: 
13.02.2011

Encontros FLE: 100 ANOS DE REPÚBLICA E O FUTURO DA EDUCAÇÃO
Local: Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian
Dia: 14 de Fevereiro de 2011
Hora: das 09h30 às 13h00
Informações: http://www.fle.pt/index.php


Sinopse
Em Portugal, a rede pública de educação é composta maioritariamente por escolas estatais. Esta herança histórica faz com que vulgarmente se confunda o serviço público de educação com o ensino prestado pelas escolas estatais. Contudo, como o debate em curso em torno das escolas com contrato de associação tem vindo a mostrar, o serviço público de educação pode ser prestado tanto por escolas estatais como por escolas privadas. De facto, os benefícios públicos da educação das crianças e adolescentes não dependem, de modo algum, do estatuto jurídico das escolas que elas frequentam, mas antes, e sobretudo, da qualidade da educação que lhes é oferecida. Passada que está uma década do século XXI em que vivemos, a sociedade civil é cada vez mais convocada a assumir um papel relevante na acção que as escolas e professores desenvolvem junto dos alunos, das famílias, e das comunidades educativas onde estão inseridas. O nosso tempo, caracterizado pelo pluralismo e diversidade de opções educativas, sem esquecer a crise económica e financeira que se abate sobre todos os portugueses, exige que se clarifique o que está em causa quando falamos de serviço público de educação; do direito e dever dos pais de educação dos filhos; da promoção da liberdade de aprender e de ensinar; e da garantia de igualdade de oportunidades de acesso e êxito escolar de todas as crianças e adolescentes sem excepção. Em suma, é necessário retornar à pergunta
Que Serviço Público de Educação queremos para Portugal?

Programa

09H30 Recepção dos Participantes

Abertura
S.E. A Ministra da Educação (a confirmar)

Comunicação
Fernando Adão da Fonseca (Fórum para a Liberdade de Educação)

Mesa Redonda
Eduardo Marçal Grilo (Fundação Calouste Gulbenkian)
Júlio Pedrosa (Universidade de Aveiro)
Roberto Carneiro (Universidade Católica Portuguesa)

13H00 Encerramento

 

Eduardo Marçal Grilo
Doutoramento em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico. Administrador da Fundação Calouste Gulbenkian. Vice-presidente e Administrador-delegado da Partex Oil and Gás (Holdings) Corporation. Foi Director-geral do Ensino Superior, Consultor do Banco Mundial na área da Educação, Presidente do Conselho Nacional de Educação e Ministro da Educação do XXII Governo Constitucional. Autor e co-autor de inúmeros livros, relatórios e artigos nos domínios da Engenharia, Ajuda ao Desenvolvimento e da Educação.

Júlio Pedrosa
Doutoramento em Química Inorgânica pelo University College de Cardiff e Agregação em Química Inorgânica pela Universidade de Aveiro. Professor catedrático da Universidade de Aveiro. Investigador do Centro de Investigação em Políticas do Ensino Superior (Cipes). Foi Reitor da Universidade de Aveiro, Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, Ministro da Educação do XIV Governo Constitucional e Presidente do Conselho Nacional de Educação. Autor de inúmeras publicações científicas de Química e de publicações sobre temáticas relativas ao Ensino Superior, Educação e Ciência.

Roberto Carneiro
Doutor Honorário em Ciências da Educação e Presentation Fellow do King´s College da Universidade de Londres. Professor associado da Universidade Católica Portuguesa e Presidente do Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa e do Instituto de Ensino e Formação a Distância da mesma universidade. Consultor do Banco Mundial, UNESCO, OCDE, Conselho da Europa e União Europeia. Foi Secretário de Estado da Educação do VI Governo Constitucional, Secretário de Estado da Administração Regional e Local do VIII Governo Constitucional e Ministro da Educação do XI Governo Constitucional. Autor de mais de 400 artigos, livros e publicações sobre Educação, Gestão Pública, Gestão do Conhecimento, História, Prospectiva, Desenvolvimento dos Media, Sociedade da Informação e temáticas contemporâneas.

Fernando Adão da Fonseca
Doutoramento em Economia pela Universidade de Lancaster (Inglaterra). Na sua carreira universitária, foi professor na Universidade Católica Portuguesa, na Universidade Nova de Lisboa e na Universidade de Rochester, Nova Iorque. É actualmente Presidente do Conselho Científico do ISGB. A sua actividade no sector financeiro passou pelo Banco Cisf, Banco Comercial Português e Banco Privado Português (por nomeação do Banco de Portugal). Foi ainda Secretário Geral da Fundação Millennium BCP. É actualmente presidente da UNICRE. Paralelamente, tem desenvolvido diversas actividades de carácter cívico, com destaque para o Fórum para a Liberdade de Educação, o European Foundation Society and Education, o Instituto Português de Corporate Governance, o Centre for Educational Research and Innovation (Ceri) da OCDE, a Associação Aprender a Empreender (Junior Achievement Portugal), a revista Nova Cidadania e a Fundação Cascais.