Recortes de Imprensa

  • 21.03.2011
    Destak
    Comemorações contam com 27 reitores de universidades estrangeiras

    Vinte e sete reitores de universidades da Europa, América Latina e Macau participam terça-feira na cerimónia do Centenário da Universidade do Porto, que será presidida pelo Presidente da República, disse hoje à Lusa o reitor Marques dos Santos.

    Será a ocasião para “homenagear quem nos precedeu e permitiu que chegássemos onde estamos” e ao mesmo tempo “projetar a universidade para o futuro” salientou o reitor.

    No dia em que se assinalam 100 anos sobre o decreto que criou a U.Porto, a cerimónia abrirá com o Cortejo Académico que, partindo das traseiras do edifício (Átrio de Química) rumo à entrada principal, dará a conhecer à cidade os doutores da Universidade.

    Já no interior, a sessão prossegue ao longo da tarde com as intervenções do reitor da U.Porto, José Marques dos Santos, do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, cabendo o discurso final a Aníbal Cavaco Silva.

    Do programa, que inclui a entrega de prémios a estudantes e docentes e a proclamação dos novos Professores Eméritos da U.Porto, merece ainda destaque a intervenção de Eduardo Lourenço, orador convidado do Dia do Centenário.

    Durante cerca de 30 minutos, o ensaísta traçará um diagnóstico sobre “Portugal e os seus desafios” perante uma plateia onde estarão os presidentes do Supremo Tribunal de Justiça, do Tribunal Constitucional e do Tribunal de Contas, bastonários das Ordens Profissionais, os responsáveis das mais relevantes instituições da cidade e da região.

    Ponto alto das comemorações que até final do ano vão celebrar os 100 anos da U.Porto, o Dia do Centenário arranca logo às 00:01, com uma Serenata Monumental protagonizada por estudantes da U.Porto junto à fachada do edifício da Reitoria.

    Mais tarde, pelas 21:30, a festa muda-se para o Coliseu do Porto, onde terá lugar o Concerto Comemorativo do Centenário. Ambos os eventos são abertos a toda a comunidade.

    A Universidade do Porto é hoje uma das instituições líderes do conhecimento no país, reconhecida pela actividade de investigação que realiza, pela qualidade do ensino e pelo sucesso das iniciativas de transferência de tecnologia.

    Perto de 31.000 estudantes, 2.300 professores e investigadores e 1.700 funcionários não docentes frequentam as suas 15 escolas e 69 unidades de investigação, distribuídas por três pólos universitários localizados na cidade do Porto.

    Com 14 faculdades e uma business school, a Universidade do Porto oferece uma variedade de cursos, que abrangem todos os níveis de ensino superior e todas as grandes áreas do conhecimento.

    A Universidade do Porto, que conta com 69 unidades de investigação, é responsável por mais de 20 por cento dos artigos científicos portugueses indexados anualmente na ISI Web of Science, o que a torna no maior produtor de Ciência em Portugal.

    Mais de metade daquelas unidades de investigação foram classificadas com “Excelente” ou “Muito Bom” nas mais recentes avaliações independentes internacionais.

     

  • 21.03.2011
    Ciberjunta
    Monstra Festival de Animação dedicada às longas-metragens

    monstra_ciberjunta
    Monstra Festival de Animação cumpre décima edição – dedicada às longas-metragens – e já está a rodar na cidade de Lisboa. ‘Pika Pika’ marca o arranque do evento.

    O festival vai decorrer até ao dia 27 de março e promete muita oferta para os amantes da animação. Desde minifilmes a longas-metragens (estas com destaque, já que o evento é dedicado precisamente às longas-metragens), o Monstra promete arrasar.

    A abertura da mostra será um espetáculo interativo, intitulado ‘Pika Pika’. O fecho da 10.ª edição vai homenagear o centenário da República Portuguesa, com uma curta-metragem.

    Os diversos trabalhos vão rodar na Fundação Calouste Gulbenkian, Cinema São Jorge, Cinema City Alvalade, Museu da Marioneta e Museu de Etnologia.

    Diversos trabalhos estarão em concurso, pela primeira vez, com a apresentação de minifilmes com menos de dois minutos.

     

  • 21.03.2011
    Público
    10ª Edição do Festival Monstra arranca hoje

    A 10ª edição do Monstra Festival de Animação começa hoje, entre longas-metragens e mini-filmes, as curtíssimas, a animação está garantida em Lisboa até ao dia 27 de Março.
    monstra_publico
    “Chico & Rita” é um dos destaques da programação (DR)

    Pela primeira vez no festival, os realizadores de mini-filmes de animação as curtíssimas, com menos de dois minutos vão poder mostrar em competição os seus trabalhos.

    Por ser ímpar, 2011 é ano de competição de longas-metragens (nos anos pares há competição de curtas) tendo sido seleccionados sete filmes, desde a história de amor de Chico e Rita na Cuba de finais dos anos 40 (“Chico & Rita”, dos espanhóis Javier Mariscal, Fernando Trueba e Tono Errando) aos sinistros túneis de metro por baixo de uma Europa sem petróleo (“Metropia”, do sueco Tarik Saleh), passando pela história do Patinho Feio vista pelo russo Garri Bardin (“Ugly Duckling”).

    Nesta décima edição, a Monstra tem a Holanda como país convidado, e vai ainda dedicar uma retrospectiva ao cinema de animação dos estúdios japoneses Ghibli, com destaque para a estreia de dois filmes do conhecido realizador Hayao Miyazaki, autor de “A Viagem de Chihiro” e “Princesa Mononoke”.

    O festival continua ainda a apostar nos workshops, na música e na dança.

    A habitual competição de escolas de todo o mundo também faz parte da programação, apresentando 85 curtas-metragens.

    O Monstra que começa hoje com “Pika Pika”, espectáculo interactivo que é feito com desenho de luz em 3D, terminará no domingo com a estreia de “10 para cem”, uma curta-metragem de dez minutos portuguesa em torno dos cem anos da República e dos artistas que marcaram a Primeira República.

  • 21.03.2011
    Rádio Renascença
    Monstra invade vários espaços lisboetas

    monstraRR
    Festival de Animação de Lisboa termina no próximo domingo com a estreia de "10 para cem", curta-metragem de dez minutos portuguesa em torno dos 100 anos da República.

    Longas-metragens em competição, filmes muito curtos, oficinas sobre animação com alfinetes, música e dança, há de tudo este ano na 10ª edição do Monstra, o Festival de Animação de Lisboa que hoje começa.

    Durante a semana o festival ocupará vários espaços de Lisboa, como o cinema São Jorge, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Museu da Marioneta, com propostas recentes do cinema de animação português e internacional, profissional e de estudantes.

    A sessão de abertura ficará por conta de "Pika Pika", espectáculo interactivo que é feito com desenho de luz em 3D.

    Este ano a competição é dedicada às longas-metragens e foram seleccionados sete filmes, entre os quais "O Mágico", de Sylvain Chomet, e "Metropia", de Tarik Saleh, uma história de ficção científica sobre uma Europa a lutar com a escassez de petróleo.

    Haverá ainda a habitual competição de escolas de todo o mundo, com 85 curtas-metragens.

    O Monstra terminará no domingo com a estreia de "10 para cem", curta-metragem de dez minutos portuguesa em torno dos cem anos da República e dos artistas que marcaram a Primeira República.

     

  • 21.03.2011
    JN
    Monstra arranca esta segunda-feira

    A 10ª edição da Monstra – Festival de Animação de Lisboa arranca esta segunda-feira, com a estreia de um novo episódio do projecto “Mix República” e com uma retrospectiva da obra do animador holandês Michael Dudok de Wit.

    Até ao próximo domingo, o Cinema São Jorge, o Cinema City Alvalade, o Museu da Marioneta, o Museu de Etnologia ou a Fundação Calouste Gulbenkian serão palco da edição de 2011 da Monstra, este ano dedicada às longas-metragens.

    Com as longas em destaque na competição, será exibido “O Mágico”, de Silvain Chaumet, “Metropia”, de Tarik Saleh, ou “Chico e Rita”, um filme vindo da vizinha Espanha, da autoria de Javier Mariscal e Fernando Trueba.

    Além das longas-metragens, também estarão em competição curtas realizadas por estudantes de todo o mundo e curtíssimas, filmes com cerca de dois minutos.

    A Holanda é o país convidado deste ano, sendo exibidas, ao longo da semana, várias retrospectivas que traçam o percurso da animação no país. O cinema japonês também está foco com uma retrospectiva, da qual fazem parte filmes como “Princesa Mononoke” ou “Laputa - Castle in Sky”, de Hayao Miyazaki.

    A 10ª edição da Monstra continua com a sua programação dedicada aos mais novos, a Monstrinha, e iniciativas paralelas ao cinema, como exposições, concertos, workshops e “masterclasses”.

    A sessão de abertura tem lugar esta noite no Cinema São Jorge, às 21.30 horas, com “Pika Pika”, um espectáculo interactivo com luz 3D, do grupo japonês Tochka.

  • 21.03.2011
    Ciberjunta
    Monstra Festival de Animação dedicada às longas-metragens

    Monstra Festival de Animação cumpre décima edição – dedicada às longas-metragens – e já está a rodar na cidade de Lisboa. ‘Pika Pika’ marca o arranque do evento.

    O festival vai decorrer até ao dia 27 de março e promete muita oferta para os amantes da animação. Desde minifilmes a longas-metragens (estas com destaque, já que o evento é dedicado precisamente às longas-metragens), o Monstra promete arrasar.

    A abertura da mostra será um espetáculo interativo, intitulado ‘Pika Pika’. O fecho da 10.ª edição vai homenagear o centenário da República Portuguesa, com uma curta-metragem.

    Os diversos trabalhos vão rodar na Fundação Calouste Gulbenkian, Cinema São Jorge, Cinema City Alvalade, Museu da Marioneta e Museu de Etnologia.

    Diversos trabalhos estarão em concurso, pela primeira vez, com a apresentação de minifilmes com menos de dois minutos.

     

  • 21.03.2011
    Jornal Diário
    Escolas açorianas com festa da árvore

    A decorrer hoje, as comemorações terão lugar em toda a Região.

    As escolas da região realizam, hoje, a Festa da Árvore. No ano em que se comemora o centenário da República, a Direcção Regional da Educação e Formação (DREF) associa-se à Direcção Regional da Cultura (DRaC) e à Direcção Regional dos Recursos Florestais (DRRF), promovendo este evento, à semelhança da Festa da Árvore que era celebrada no período da I República. Para dar corpo à Festa da Árvore, a DRRF enviou 175 árvores de espécies endémicas a cada uma das Escolas de 1º Ciclo da Região.

    À DRaC coube a produção e entrega às unidades orgânicas, de cerca de 1200 exemplares dos Folhetos da Festa da Árvore.

    As comemorações que são realizadas em toda a região, terão no auditório da Escola Básica Integrada Francisco Ornelas da Câmara, uma sessão formal, onde usarão da palavra, os directores regionais da Educação e Formação, Cultura e Recursos Florestais.

    Nesta sessão, com início marcado para as 14h30, vai ainda actuar o coro de alunos desta escola, sob a direcção da professora Alla Lanova e com um repertório da autoria de Tomás de Borba, alusivo à festa da árvore.

    Às 16 horas, serão plantados 100 dragoeiros no Paúl da Praia da Vitória.

  • 21.03.2011
    Visão Online
    MONSTRA: Animação fora da Tela

    monstravisaoonline
    O público vai ser convidado a fazer o filme de abertura do Monstra 2011, festival de cinema de animação, que decorre no Cinema São Jorge, de 21 a 27 de março. O projeto é de uma dupla do Japão, que, juntamente com a Holanda, é o país convidado deste ano. Em concurso estarão oito longas-metragens e, entre sessões, workshops e masterclassses, o festival espera aumentar o seu público. O JL falou com o diretor, Fernando Galrito, que promete animar a cidade.

    JL: Colocam como objetivo levar o Monstra a mais de 32 mil pessoas. Numa época de crise, como é que isso se faz?
    Fernando Galrito: Apresentando um programa aliciante, que consiga abarcar todas as faixas de público. Percebe-se logo pelos países convidados. A Holanda tem uma produção de grande qualidade, que já ganhou alguns oscars. O Japão, em que fazemos um encontro entre gerações, com um grande estúdio de cinema, que é o Ghibi, com a estreia em Portugal de duas longas-metragens de Miyazaki (o autor de A Ciagem de Chihiro). Assim como os oito filmes em competição, que podem interessar a todo o tipo de público.

    Mas vão literalmente ao encontro do público...
    Sim, há um grupo japonês que vai fazer um workshop de rua. Estarão sábado, dia 19, às 18 horas, no Jardim da Estrela e à noite no Bairro Alto. Vamos munir 150 pessoas com uma lanterna colorida e, usando um software específico, vamos fazer todos um filme de animação, que depois será exibido na abertura do festival. É uma forma de viver por dentro a magia da animação.

    Procuram novos fronteiras?
    Há um conjunto de formações que podem interessar tanto às pessoas da animação, como às das artes ou até de outras áreas. Por exemplo, vamos ter uma masterclass de Georges Sifianos que interessará particularmente a pessoas ligadas à arqueologia. Ele vai falar dos baixos relevos que encontrou no Pantheon da Grécia que sugerem uma relação de desconstrução do movimento. A partir dali, fez uma animação. E através duma pontuação encontrada no local construiu a banda sonora.

    A ideia é sempre abrir os horizontes e mostrar outros formatos possíveis.
    Um dos nossos slogans é "a animação para além do ecrã". A animação para nós também é esta convergência entre imagem em movimento e outras artes. Tentamos alargar muito o leque, para convencer outras pessoas a gostar e animação.

    O ano passado Portugal foi o país tema. Este ano de que forma a animação portuguesa está representada?
    Temos a exposição de Dodu, de José Miguel Ribeiro, já em exibição no Museu da Marioneta; outra comemorativa dos 20 anos da Animamostra, que é a mais antiga produtora portuguesa, que tanto faz filmes de autor como séries. E ainda a competição de estudantes, que além das escolas portuguesas, recebemos alguns trabalhos vindos de portugueses que estudam em escolas estrangeiras.

    Também haverá um espaço próprio dedicado aos mais novos. Quais as novidades do Monstrinha?
    Achamos que devemos criar hábitos nos mais novos desde cedo. Além dos programas que compomos para os diversos grupos etários, realizamos alguns workshops. Decorre ainda até ao final de Junho, com o apoio da Comissão para as Comemorações do Centenário da República, um conjunto de 40 workshops por todo o país.

  • 21.03.2011
    Destak
    Começa hoje o 10º festival Monstra

    Longas-metragens em competição, filmes muito curtos, oficinas sobre animação com alfinetes, música e dança, há de tudo este ano na décima edição do Monstra, o Festival de Animação de Lisboa que hoje começa.

    Durante a semana o festival ocupará vários espaços de Lisboa, como o cinema São Jorge, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Museu da Marioneta, com propostas recentes do cinema de animação português e internacional, profissional e de estudantes.

    A sessão de abertura ficará por conta de "Pika Pika", espetáculo interactivo que é feito com desenho de luz em 3D.

    Este ano a competição é dedicada às longas-metragens e foram selecionados sete filmes, entre os quais "O Mágico", de Sylvain Chomet, e "Metropia", de Tarik Saleh, uma história de ficção científica sobre uma Europa a lutar com a escassez de petróleo.

    Destaque ainda para "Chico & Rita", de Fernando Trueba e dos irmãos Javier Mariscal e Tono Errando, ficção passada no ambiente musical de Cuba dos anos 1940 e 1950 e que conta com música de Bebo Valdés.

    Haverá ainda a habitual competição de escolas de todo o mundo, com 85 curtas-metragens.

    O Monstra terminará no domingo com a estreia de "10 para cem", curta-metragem de dez minutos portuguesa em torno dos cem anos da República e dos artistas que marcaram a Primeira República.

  • 18.03.2011
    Portal das Escolas
    "Nos Cem Anos da Reforma. O Quotidiano na Escola Republicana"

    logohoriz
    Na semana em que se assinalam os cem anos da Reforma Republicana do Ensino Primário de 1911, a Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República leva a efeito, no dia 24 de Março, das 10h às 17h, no Palácio Valadares (Largo do Carmo, em Lisboa), o colóquio "Nos Cem Anos da República. O Quotidiano na Escola Republicana", com o propósito de dar a conhecer como se vivia e aprendia na nova escola criada pelos republicanos.

    A publicação, em 29 de Março de 1911, do documento da grande reforma republicana do Ensino Primário (que abrangia os Ensinos Infantil, Primário e Normal), bem como de outros diplomas que se lhe seguiram, referentes aos outros níveis de ensino, modificou a estrutura educativa herdada da Monarquia, abrindo caminho ao aparecimento de algumas das grandes inovações da escola republicana, de que se salientam, entre outras, uma nova concepção de escola, novas disciplinas, novos níveis de ensino e novas universidades.

    O colóquio tem entrada livre. No mesmo local, continua patente ao público a exposição "Educar. Educação para Todos. O Ensino na I República", Sobre esta matéria, visitar o sítio Exposição Educar.

    Para outras informações, nomeadamente o programa e os oradores, consultar o sítio Centenário da República - Portal Oficial da Comissão Nacional.