Recortes de Imprensa

  • 26.07.2010
    Jornal de Notícias
    Corpo. Estado, Medicina e Sociedade

    25_07_10_corpo
    0 corpo social sob o olhar clínico da República

    Exposição no Terreiro do Paço mostra algumas das principais medidas tomadas na área da saúde

    FÁTIMA MARIANO
    fmariano@jn.pt

    São sete corpos. Sete modelos que representam as fases da vida e morte do corpo humano e da atenção que os vários governos da I República dedicaram à área da saúde e dos cuidados médicos. Três estão em pé e representam uma criança, uma mulher grávida e um jovem atleta; e três estão deitados, retratando um corpo doente no momento da consulta, o corpo de uma vítima de epidemia e um corpo morto, transformado em objecto médico.

    "Há ainda um sétimo corpo", adianta Rita Garnel, comissária da exposição "Corpo. Estado, Medicina e Sociedade no Tempo da I República", que inaugurou na sex-ta-feira no Torreão Poente do Terreiro do Paço, em Lisboa.

    "No último corpo, são projectadas imagens de tatuagens que os técnicos do Instituto de Medicina Legal encontravam nos cadáveres, considerava-se que quem tatuasse o corpo tinha uma personalidade desviante", explica.

    Esta é uma exposição que fala dos médicos como corpo profissional, que recorda alguns dos mais eminentes médicos portugueses da época (Miguel Bombarda, Curry Cabral Egas Moniz), que mostra as técnicas, os instrumen- tos (como o esmagador de Chas-saignac, utilizado para retirar tumores ou um modelo anatómico da cabeça datado do século XIX), e as terapêuticas.

    Fala ainda de algumas das medidas legislativas (de criação das faculdades de medicina de Lisboa e Porto ou da obrigatoriedade da vacinação) e dos investimentos (para abertura, por exemplo, de Lactários e Dispensários materno-infantis).

    Muitos dos avanços médicos alcançados nas últimas décadas (como a baixa taxa de mortalidade infantil) resultam das políticas e práticas médicas lançadas nesse início do século XX. Esta é uma Vacinação obrigatória foi fortemente criticada por ser uma intromissão na vida privada do cidadão mensagens que Rita Garnel gostaria que passasse aos visitantes. "A medicina não era apenas o tratar do corpo individual, mas também do corpo social", explica.

    Os médicos aplicaram ao corpo social o olhar clínico, normalizando e ajudando a normativar, em nome da saúde indivual e colectiva, escolhas, comportamento, atitudes e gestos. Os que fugiam a essa norma - prostitutas, delinquentes, mutilados de guerra, loucos, etc. - eram afastados da sociedade, quer como sinal de exclusão quer de protecção.

    Foram os governos republicanos que decretaram a obrigatoriedade da vacinação, não muito bem acolhida por alguns sectores, que consideravam uma intromissão na vida privada dos cidadãos. "Fala-se muito na pneumónica, mas é preciso não esquecer que nessa altura, a varíola e o tifo também matavam muito", lembra.

    Muitas das medidas legislativas foram possíveis devido à importância e prestígio que a classe médica tinha nessa época sendo o segundo grupo profissional mais representado no Parlamento.

    25-07-2010

  • 26.07.2010
    Diário Digital
    Exposição «Viajar» inaugurada hoje no Terreiro do Paço

    A exposição «Viajar, viajantes e turistas à descoberta de Portugal no tempo da I República» é inaugurada esta sexta-feira, às 18:00 horas, no Torreão Nascente do Terreiro do Paço, em Lisboa, debruçando-se sobre o modo como se fazia Turismo em Portugal durante esta época.

    A mostra, comissariada por Maria Alexandre Lousada e Ana Paula Pires, está organizada em cinco núcleos, a saber, «Viajar»; «Os lugares de Turismo»; «Férias em Portugal»; «À descoberta de Portugal» e «O Turismo e a República», segundo a organização.

    Os trabalhos dão a conhecer como «na altura da 1.ª República (do ano 850 a 1920) já havia um número considerável de pessoas que faziam turismo, iam às praias e às termas nacionais não só por motivos de saúde, mas também pelo prazer de viajar e de visitar locais de interesse patrimonial».

    Mais de 300 peças estarão em exibição na exposição, que é organizada pela Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, com o apoio do Turismo de Portugal.

    O público poderá visitar até 6 de Outubro. A entrada é gratuita.

    23-07-10

     

  • 26.07.2010
    Jornal de Notícias
    À procura do Portugal dos postais turísticos

     

    Viajar. Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no Tempo da Primeira República

     

    Viajar 1

     

    A frase de João Chagas expressa bem o quanto os portugueses, nesse início do século XX, ignoravam as belezas do seu próprio país: "Esta carta está decidida desde Setembro! Mas durante esse mês de férias praticámos uma façanha milagrosa: descobrimos Portugal. Foi uma verdadeira viagem de núpcias com a pátria! Caramba! Que maravilhoso País! Como a gente passa a vida ignorando a beleza da própria pátria!"

    Conhecer o Portugal dos postais turísticos e das fotografias a preto e branco dessas primeiras décadas do século XX é o desafio que lança a exposição "Viajar. Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no Tempo da Primeira República", ontem inaugurada no Torreão Nascente do Terreiro do Paço, em Lisboa, e que pode ser vista até 6 de Outubro. Organizada pela Comissão para as Comemorações do Centenário da República, em parceria com o Turismo de Portugal, a exposição tem como objectivo "mostrar aos visitantes a grande mudança que se deu, na área do turismo, com a chegada da República", explicou, ao JN, Ana Paula Pires, que, juntamente com Maria Alexandre Lousado, comissária esta mostra. "Assiste-se à institucionalização do turismo, à intervenção do Estado neste sector. A República reconhece a importância do turismo e o contributo deste para a economia. É preciso não esquecer, por exemplo, que é nesta altura que se começam a classificar os monumentos", acrescentou a mesma responsável. O convite para a viagem é feito ainda no exterior da exposição, através de duas malas de cartão gigantes - com bilhetes, passaportes, etiquetas de bagagem, etc, colados - e que indicam o local por onde o visitante deve embarcar.

    Portugal era apresentado nos cartazes turísticos como o caminho mais curto entre EUA e Europa

    Os elementos cénicos e multimédia marcam presença em toda a exposição, através da recriação de uma esplanada de época, do paquete "Cleveland" e dos seus passageiros à chegada a Lisboa ou de um banhista a saltar de uma prancha para a piscina. Nos vários ecrãs serão exibidos filmes de época, alguns dos quais inéditos, pertencentes ao arquivo da Cinemateca Portuguesa. A aposta no turismo impulsi-nou o lançamento de vários guias sobre o país no seu conjunto ou locais particulares, com mapas da rede de transporte público e dos monumentos a visitar, e de manuais do viajante. Começam a surgir as primeiras empresas que organizam viagens turísticas (muitas delas, aproveitando os meios e percursos utilizados para o transporte de emigrantes), as primeiras casas para arrendar à época totalmente mobiladas e hotéis com oferta de actividades desportivas, por exemplo. A maioria dos turistas vinha de Inglaterra, Itália e Alemanha, mas também dos EUA. Portugal era apresentado, nos cartazes turísticos, "como o caminho mais curto entre a América e a Europa".

    O desempenho da Sociedade de Propaganda de Portugal

    Parte significativa do trabalho de promoção do país enquanto destino turístico foi realizada pela Sociedade de Propaganda de Portugal (também conhecida porTouring Club de Portugal), fundada a 28 de Fevereiro de 1906. Instituição privada e independente, alertou sucessivas vezes o Poder Central e Local para as péssimas condições das estradas e ferrovias e das unidades hoteleiras e para a necessidade de melhorar as condições de acolhimento aos visi- tantes nos núcleos urbanos mais procurados. "No início da República, as infra-estruturas e os serviços associados ao turismo eram precários, geralmente de má qualidade pouco organizados", explica Ana Paula Pires. Ao mesmo tempo, promoveu as potencialidades turísticas do país. Em 1911, conseguiu a realização, em Lisboa, do IV Congresso Internacional de Turismo, que contou com 1500 participantes. Promoveu, também, a visita de um grupo de jornalistas estrangeiros a alguns dos principais locais turísticos portugueses, apostou fortemente na publicidade, incluindo em revistas internacionais, e na abertura de delegações um pouco por todo o Mundo.

    24-07-10

  • 26.07.2010
    Diário de Notícias
    À descoberta das origens do turismo

    Exposição: Os roteiros e os objectos utilizados nas primeiras viagens de lazer em Portugal há cem anos

     

    25_jul_10

    MARINA MARQUES
    Duas malas gigantes nas arcadas junto ao Torreão Nascente do Terreiro do Paço, em Lisboa, dão o mote para a exposição "Viajar. Viajantes e turistas à descoberta de Portugal no tempo da I República", que propõe um regresso aos primórdios do turismo em Portugal. Promovida pela Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, com o apoio do Turismo de Portugal, a exposição evidencia as diferenças das primeiras viagens de lazer, há cem anos, em relação à actualidade.

    Duas colecções privadas, uma de Celestino de Matos Domingues, e outra de José Rafael Sirgado, enriqueceram a exposição com objectos, folhetos, cartazes, bilhetes, facturas, que documentam esse tempo. É o caso de duas malas de cabine que pertenceram à actriz Amélia Rey Colaço e ao marido, Robles Monteiro.

    No primeiro dos cinco núcleos em que se divide a exposição (Viajar), grandes lombadas dos primeiros guias turísticos da época, em vários idiomas, remetem para a preparação da viagem, enquanto uma caricatura mostra uma das maiores dificuldades na época pelos turistas: o péssimo estado das estradas em Portugal.

    Madeira como destino internacional e Açores como oferta para viajantes em missão científica são apenas dois dos destaque do 2.° espaço (Lugares de Turismo), onde é lembrado que entre 1921 e 1923 são oficialmente identificados e classificados 135 lugares turísticos. E um comboio em miniatura conduz o viajante, ao mesmo tempo que lembra que a aposta na rede ferroviária foi um dos facilita- dores do desenvolvimento das viagens de lazer. A situação geográfica de Portugal, porto de entrada de grandes paquetes transatlânticos, é destacada pela réplica de um paquete.

    Os modos de viajar e a arte de ser turista surgem no 3.° núcleo (Férias em Portugal). O emblemático Guia de Portugal, de Raul Proença, e o trabalho da Sociedade Propaganda de Portugal na promoção do País como destino turístico, tanto em Portugal como no estrangeiro, formam o 4.° espaço (Descobrir Portugal). A terminar, um núcleo mais institucional, dedicado à Sociedade Propaganda de Portugal, fundada em 1906, e à Repartição do Turismo, criada em 1911, símbolos do nascimento do turismo organizado em Portugal.

    25-07-2010

  • 26.07.2010
    Diário de Notícias
    Dois ministros numa exposição da República

    Exposição

    Corpo 1

    O ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, visitou ontem, acompanhado por Artur Santos Silva e pela ministra da Saúde, Ana Jorge, a exposição "CORPO: Estado, Medicina e Sociedade no tempo da I República", promovida pela Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República.
    Segundo a própria Comissão, "a exposição pretende dar conta da história da medicina em Portugal, da consolidação do poder e do prestígio dos médicos, bem como das relações entre este saber, o poder político e os diversos grupos sociais".
    Assim sendo, a visita promete ensinamentos à ministra, em tempos de austeridade e cortes orçamentais. Mas também terá sido de utilidade para a médica Ana Jorge, pediatra de profissão, já que "problematiza as relações do médico com o doente e com o corpo humano, individual ou social, e questiona o saber científico da medicina e dos médicos no tempo da I República.

    24-07-10

  • 25.07.2010
    http://www.turismodeportugal.pt/
    Exposição "Viajar. Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no tempo da I República"

    Esta Exposição, realizada no âmbito das Comemorações do Centenário da República, conta com a parceria e o apoio financeiro do Turismo de Portugal.

    noticia viajar

    O ano de 1911 representa um momento fundamental na emergência do Turismo organizado em Portugal. Nesse ano, Lisboa recebeu o IV Congresso Internacional de Turismo e foram criadas as primeiras estruturas oficiais: a Repartição de Turismo e o Conselho de Turismo.

    A promoção da actividade turística dá, neste período, os seus primeiros passos, ressaltando a missão educativa e de bem-estar físico desta actividade, presente nos guias, folhetos e cartazes que construíram o embrião do destino Portugal e da sua inserção no mercado turístico em formação. Viajar por prazer, para conhecer outros lugares e costumes, como distracção ou forma de repouso, tinha-se tornado um desejo acessível a mais pessoas.

    Esta exposição é um duplo convite à viagem: viajar no tempo e no espaço. Reviver “as férias dos primeiros turistas, os destinos que estavam na moda, as roupas e objectos que se punham na mala de viagem, os desportos que se praticavam, os roteiros turísticos que se consultavam” é o convite que a Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República e o Turismo de Portugal nos propõem.

    A Exposição, que decorre de 23 de Julho a 6 de Outubro no Torreão Nascente do Terreiro do Paço, está organizada em 5 núcleos: 1. Turistas - O prazer e a arte de viajar; 2. A República e o Turismo; 3. Turismo e identidade nacional: uma nova imagem para portgal; 4. Os lugares turísticos e os projectos da República; 5. Férias em Portugal.

    Boa viagem!

    URL: ver aqui

    23-07-2010

     

  • 25.07.2010
    http://diariodigital.sapo.pt
    Exposição «Viajar» inaugurada hoje no Terreiro do Paço

    A exposição «Viajar, viajantes e turistas à descoberta de Portugal no tempo da I República» é inaugurada esta sexta-feira, às 18:00 horas, no Torreão Nascente do Terreiro do Paço, em Lisboa, debruçando-se sobre o modo como se fazia Turismo em Portugal durante esta época.

    A mostra, comissariada por Maria Alexandre Lousada e Ana Paula Pires, está organizada em cinco núcleos, a saber, «Viajar»; «Os lugares de Turismo»; «Férias em Portugal»; «À descoberta de Portugal» e «O Turismo e a República», segundo a organização.
    Os trabalhos dão a conhecer como «na altura da 1.ª República já havia um número considerável de pessoas que faziam turismo, iam às praias e às termas nacionais não só por motivos de saúde, mas também pelo prazer de viajar e de visitar locais de interesse patrimonial».

    Mais de 300 peças estarão em exibição na exposição, que é organizada pela Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, com o apoio do Turismo de Portugal.
    O público poderá visitar até 6 de Outubro. A entrada é gratuita.

    sexta-feira, 23 de Julho de 2010 | 16:01

  • 23.07.2010
    Diário Câmara Clara
    Apresentação das exposições "Corpo" e "Viajar"

    A emissão do Diário Câmara Clara do dia 21 de Julho apresenta as exposições Corpo - Estado, Medicina e Sociedade no Tempo da I República e Viajar. Viajantes e turistas à descoberta de Portugal.

    Assista à emissão em:
    http://www.rtp.pt/multimedia/progVideo.php?tvprog=26022&idpod=42448

    21-07-10

  • 23.07.2010
    Revista Visão
    A República em exposição

    A Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República inaugura dia 23 mais duas exposições, ambas no Terreiro do Paço: Corpo - Estado, Medicina e Sociedade no Tempo da I República e Viajar - Viajantes e turistas à descoberta de Portugal.

    22-07-10

  • 23.07.2010
    Público - P2
    Exposições em Lisboa comemoram a República

    A exposição Corpo - Estado, Medicina e Sociedade no Tempo da I República, promovida pela Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, tem inauguração marcada para hoje, às 17h30, no Torreão Poente do Terreiro do Paço, em Lisboa. Uma mostra sobre a medicina na História e as doenças e as políticas de saúde no contexto histórico da I Répública.

    No Torreão Nascente, é inaugurada ainda a exposição Viajar. Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no Tempo da I República. Como era fazer turismo em Portugal? Quais eram os destinos da moda? O que era colocado na mala de viagem?

    Para ver até 6 de Outubro, todos os dias das 10h às 18h. Mais informações em www.centenariorepublica.pt.

    23-07-10