Recortes de Imprensa

  • 12.01.2011
    IOL Diário
    República: Exposições visitadas por mais de 180 mil pessoas

    Mais de 180 mil pessoas visitaram em 2010 as quatro exposições do Centenário da República, anunciou esta terça-feira a comissão nacional para as comemorações.

    De acordo com a Lusa, ao todo, 182.625 pessoas viram as exposições «Resistência. Da Alternativa Republicana à Luta Contra a Ditadura (1891-1974)», «Viva a República! 1910-2010», «CORPO - Estado, Medicina e Sociedade no Tempo da I República» e «VIAJAR - Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no Tempo da I República».

    A mostra que teve mais visitantes (53.364) foi «Resistência. Da Alternativa Republicana à Luta Contra a Ditadura (1891-1974)», no Porto, porque também foi a que esteve patente mais tempo, quase um ano, entre 31 de Janeiro e 31 de Dezembro.

    No segundo lugar do ranking surge «CORPO - Estado, Sociedade e Medicina no Tempo da I República», visitada por 50.830 pessoas durante os cerca de seis meses em que esteva aberta ao público no Terreiro do Paço, em Lisboa.

    Na terceira posição, «Viajar - Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no Tempo da I República», também no Terreiro do Paço, acolheu 40.013 visitantes.

    A exposição «Viva a República! 1910-2010», patente na Cordoaria Nacional, em Lisboa, entre 12 de Junho e 1 de Dezembro, foi vista por 38.418 pessoas.

    A Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República adianta, numa nota, que o portal da efeméride registou, no ano passado, mais de dois milhões de visitas.

    As quatro exposições podem ser visitadas virtualmente através do portal.

  • 11.01.2011
    TVI24
    República: Exposições visitadas por mais de 180 mil pessoas

    Dados revelados pela comissão nacional para as comemorações do centenário

    Mais de 180 mil pessoas visitaram em 2010 as quatro exposições do Centenário da República, anunciou esta terça-feira a comissão nacional para as comemorações.

    De acordo com a Lusa, ao todo, 182.625 pessoas viram as exposições «Resistência. Da Alternativa Republicana à Luta Contra a Ditadura (1891-1974)», «Viva a República! 1910-2010», «CORPO - Estado, Medicina e Sociedade no Tempo da I República» e «VIAJAR - Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no Tempo da I República».

    A mostra que teve mais visitantes (53.364) foi «Resistência. Da Alternativa Republicana à Luta Contra a Ditadura (1891-1974)», no Porto, porque também foi a que esteve patente mais tempo, quase um ano, entre 31 de Janeiro e 31 de Dezembro.

    No segundo lugar do ranking surge «CORPO - Estado, Sociedade e Medicina no Tempo da I República», visitada por 50.830 pessoas durante os cerca de seis meses em que esteva aberta ao público no Terreiro do Paço, em Lisboa.

    Na terceira posição, «Viajar - Viajantes e Turistas à Descoberta de Portugal no Tempo da I República», também no Terreiro do Paço, acolheu 40.013 visitantes.

    A exposição «Viva a República! 1910-2010», patente na Cordoaria Nacional, em Lisboa, entre 12 de Junho e 1 de Dezembro, foi vista por 38.418 pessoas.

    A Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República adianta, numa nota, que o portal da efeméride registou, no ano passado, mais de dois milhões de visitas.

    As quatro exposições podem ser visitadas virtualmente através do portal.

  • 11.01.2011
    Rádio Condestável
    TOMAR “As imagens da República”

    O Curso Superior de Fotografia da Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Tomar, em colaboração com a Comissão Nacional para as  Comemorações do Centenário da República, estão a propor um conjunto de workshops de fotografia, associados a seminários livres, por todo o território nacional.

    O projecto “As Imagens da República”, agindo criativamente através da reflexão e produção fotográfica, pretende promover um pensamento crítico sobre a ideia e os ideais da República.

    imagens 490x235
    A intervenção artística, mediante a produção de obra e conhecimento, acrescentar-se-á ao debate em volta das questões que explicam e fundamentam o papel da fotografia na sociedade em geral, e em particular as suas relações mais próximas com os ideais republicanos.
    Os cursos estão abertos a todos os cidadãos portugueses ou estrangeiros com residência em território nacional.

    Os participantes só poderão frequentar um workshop por distrito e no máximo três a nível nacional.
    O locais, datas e horas, quer dos workshops, quer das conferências, serão divulgados no endereço www.imagensdarepublica.ipt.pt
    A inscrição é gratuita e pode ser feita em www.imagensdarepublica.ipt.pt

    Para além do respectivo currículo, cada participante deverá submeter um portfolio de cinco imagens, para apreciação do orientador do workshop a que concorre. Será o orientador a escolher os participantes do seu workshop, que não deverão ultrapassar os doze.
    Dos trabalhos efectuados durante os workshops, os orientadores são responsáveis pela selecção das imagens a incluir numa galeria virtual, e posteriormente numa exposição.

    Os trabalhos seleccionados serão editados em catálogo.

  • 11.01.2011
    Coimbra Digital
    Workshop de Cinema de Animação em Arganil

    Evento integra as Comemorações do Centenário da Implantação da República.

    Integrada nas Comemorações do Centenário da Implantação da República, a Câmara Municipal de Arganil vai acolher uma iniciativa da equipa do Festival MONSTRA que nos dias 2, 3 e 4 de Fevereiro vai realizar em Arganil um workshop do qual resultará um pequeno filme que passará durante a exposição «Viva a República» que estará patente em Arganil no final do mês de Fevereiro.

    Este workshop vai estar aberto a todos os grupos etários: crianças, adolescentes, adultos, idosos e funcionários no seguinte horário:
    1º dia | das 14h00 às 18h00 (4h)
    2º dia | das 9h00 às 12h00 e das 13h00 às 18h00 (8h)
    3º dia | das 9h00 às 13h00 (4h)

    Auditório Municipal
    Para mais informações dirija-se à Biblioteca Municipal de Arganil.

    Consulte o flyer do evento aqui

  • 10.01.2011
    Público
    Liceu Passos Manuel celebrou cem anos

    passosmanuel01

    O antigo liceu, hoje Escola Básica e Secundária Passos Manuel, em Lisboa, celebrou ontem cem anos e mais de 400 pessoas, entre antigos alunos e professores, estiveram reunidas num almoço de comemoração e de partilha de memórias. Fundado em 1911, este é o primeiro liceu do regime republicano, apesar de as obras terem sido visitadas por D. Carlos.

    Cesário Verde, Curry Cabral, Miguel Bombarda, Viana da Mota são alguns dos nomes que passaram pelo antigo liceu. O ex-ministro da Educação e historiador José Hermano Saraiva nasceu naquela escola quando o seu pai ali residia com o cargo de reitor do liceu, cargo equivalente ao director de escola actual. Nas últimas décadas, Jorge Sampaio e Miguel Portas, entre outros, foram alunos.

    "O melhor que me aconteceu foi ter vindo estudar para um sítio diferente, o Bairro Alto, um local que não era nada daquilo que é hoje, num liceu que era a Lisboa pura", revela o jornalista Ricardo Costa à Lusa.

    Hoje, o Passos Manuel já não recebe as elites lisboetas, mas é uma escola que faz parte do programa Territórios Educativos de Intervenção Prioritária, ou seja, recebe alunos desfavorecidos, com elevadas taxas de abandono e insucesso escolar.

    No âmbito do programa Parque Escolar, a escola foi recuperada, respeitando a traça e materiais com que foi construída. Actualmente tem cerca de 1100 alunos do 5.º ao 12.º anos.

    Por Bárbara Wong
     

  • 10.01.2011
    Diário de Coimbra
    República animada invade Miranda do Corvo

    Três dias de cinema de animação dedicadas à história da I república marcam o regresso, desde ontem, das comemorações do Centenário da República a Miranda do Corvo. Em causa está o projecto itinerante Mix República, idealizado pela Monstra – Festival de Animação de Lisboa, que começou nos concelhos do sul do país, ainda em 2010, e pretende percorrer um total de 36 municípios portugueses, com três sessões de oficinas por localidade, durante este ano. As oficinas, dirigidas ao público em geral, têm como objectivo a produção de pequenos filmes de animação pelos participantes, combinando o desenho animado com imagens reais e explorando diversas técnicas do Cinema de Animação. A temática base, claro está, é a I República mas, em cada localidade as oficinas assumem “nuances” regionais, partindo de motivos republicanos locais, como a toponímia, a arquitectura ou aspectos plásticos. A coordenar os workshops estarão três profissionais do Cinema de Animação, com currículos invejáveis: Tânia Duarte, Ícaro e Victor Hugo. Tânia Duarte é formadora na Casa da Animação. O artista Ícaro obteve o seu Diplome National d’Expression Plastique na Escola Nacional Superior de Belas Artes de Toulouse. Realizou o filme “cicatriz” que recebu o prémio Onda Curta RTP. O terceiro formador nasceu em Espinho em 1972 e cursou desenho na Escola Superior Artística do Porto.

  • 07.01.2011
    TV Minho
    Fafe: Seminário A Emigração na I República

    No âmbito das comemorações do centenário da implantação da República a Câmara Municipal de Fafe preparou um vasto programa que se iniciou já no passado mês de Março de 2010 e terminará em 2011.

    O Museu das Migrações e das Comunidades integra estas comemorações com a realização de um seminário, subordinado ao tema “A Emigração na Primeira República”. A iniciativa tem como objectivo contextualizar o fenómeno migratório daquele período e é uma realização conjunta Museu das Migrações e das Comunidades e Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais – CEMRI – (Universidade Aberta), instituição parceira deste Museu em iniciativas anteriores.

    O evento decorrerá no próximo dia 21 de Janeiro de 2011, no Auditório da Biblioteca Municipal de Fafe e reúne investigadores de várias universidades nacionais e estrangeiras, nomeadamente, da Universidade Aberta e do Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais (CEMRI), da Universidade de Lisboa, da Universidade do Minho, da Universidade do Porto e da Universidade de Santiago de Compostela.

  • 07.01.2011
    http://republicamortagua.blogspot.com
    Mapa das Escolas

    A Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, CNCCR, sugere a visita ao Mapa das Escolas, que têm vindo a participar nas comemorações do centenário da República.

    mapa escola mortagua
    Clique aqui para consultar os programas comemorativos.

    26-12-2010

  • 07.01.2011
    Correio do Minho
    Emigrantes... republicanos

    Investigadores de seis universidades nacionais e estrangeiras conferem prestígio e qualidade científica ao Seminário sobre a emigração há cem anos, que Fafe acolhe no auditório da Biblioteca Municipal, no próximo dia 21 deste mês.
    por Costa Guimarães

    emigrantes republicanos
    Especialistas das Universidades de Compostela, Minho, Lisboa, Porto, Aberta e Aveiro enriquecem as comemorações do centenário da implantação da República em Fafe onde a autarquia está a ultimar os pormenores do seminário que ali se realiza no dia 21 deste mês sobre a emigração há cem anos.

    Este seminário integra-se no programa de celebrações republicanas em que o Museu das Migrações e das Comunidades integra estas comemorações com a realização deste seminário, cujo objectivo é contextualizar o fenómeno migratório daquele período.

    Trata-se de uma realização conjunta do Museu das Migrações e das Comunidades e Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais - CEMRI - (Universidade Aberta), instituição parceira deste Museu em iniciativas anteriores.

    O evento decorre no Auditório da Biblioteca Municipal de Fafe e reúne investigadores de várias universidades nacionais e estrangeiras, nomeadamente, da Universidade Aberta e do Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais (CEMRI), da Universidade de Lisboa, da Universidade do Minho, da Universidade do Porto e da Universidade de Santiago de Compostela. Para o vereador do Pelouro da Cultura, Pompeu Martins, «esta é uma iniciativa que reúne alguns dos melhores especialistas na temática das Migrações e vem consubstanciar um projecto de Museologia que contempla em larga medida a investigação científica em torno do fenómeno migratório. Fafe volta a acolher na sua comunidade o trabalho destes investigadores e será nestes dias o local no nosso país onde melhor se sublinhará os diversos contornos destas temáticas a nível local, nacional e internacional».

    Os trabalhos, a decorrer ao longo do dia 21 de Janeiro no Auditório da Biblioteca Municipal de Fafe, serão divididos nos painéis "A emigração e a imigração em Portugal" e "Portugal/ /Brasil - Factos, gentes e representações" e apresenta um programa que abre com a saudação inicial do presidente do município fafense.

  • 07.01.2011
    SOL
    A prisão das imagens

    O Centro Português de Fotografia teve em 2010 o seu melhor ano em termos de público, recebendo mais de 50.000 visitantes. Em 2011, uma boa parte das exposições vão ter como tema o Porto, a cidade-sede da instituição.
    Texto de João Pedro Barros Fotografias de Humberto Almendra

    resistencia_sol

    A história da Cadeia da Relação, no Porto, ofusca por vezes o actual papel do edifício. O local onde esteve preso o escritor Camilo Castelo Branco e Ana Plácido, por adultério, em 1860, alberga desde 1997 o Centro Português de Fotografia (CPF). As obras de adaptação lideradas pelos arquitectos Eduardo Souto Moura e Humberto Vieira não descaracterizaram a concepção original - e por isso há salas que mantêm o nome de enxovias e resistem ainda as pesadas portas de ferro -. Mas o seu papel é hoje bem diferente. 0 CPF tem como face mais visível as exposições temporárias, mas muito mais se passa aqui. «Somos um arquivo de âmbito nacional com a competência de salvaguardar o património fotográfico e, sobretudo, difundi-lo o mais possível», explicou ao SOL o director, Bernardino Castro. O património fotográfico do CPF inclui 67 fundos e colecções e várias imagens são disponibilizadas para exposições externas, nomeadamente as pertencentes à Colecção Nacional de Fotografia. Este é um conjunto de documentos de interesse nacional, que continua a crescer com trabalhos de fotógrafos nacionais e internacionais e fotografias históricas.

    O ano que agora termina foi, em termos de visitantes, o melhor de sempre do CPF, por larga margem. Sem contabilizar ainda o mês de Dezembro, passaram pela Cadeia da Relação 52.203 pessoas, quase o dobro do ano anterior. A mostra 'Resistência. Da Alternativa Republicana à Luta contra a Ditadura', integrada nas comemorações do Centenário da República, foi a principal responsável pelo aumento de afluência, tendo ficado em exibição mais dois meses que o previsto. «O sucesso deve-se, essencialmente, à adequação do conteúdo expositivo aos programas curriculares das escolas. É uma exposição de grandes dimensões, baseada em imagens de arquivos, o que se enquadra na nossa missão actual», esclarece.

    Este ano será difícil repetir o sucesso, até porque as restrições orçamentais obrigaram a «reequacionar determinadas soluções e adiar outras». O Porto será o centro das atenções das objectivas, nomeadamente através dos olhares distintos de Inês d'Orey (prémio Novo Talento Fnac Fotografia 2007) e de Aurélio da Paz dos Reis (pioneiro do cinema português, em 1896). A partir de 12 de Março, ambos apresentam fotografias de interiores do Porto separadas por cerca de um século. Por seu lado, 'O Avesso do Lugar' (9 Jun. - 25 Set.) é um outro olhar sobre o Hospital de S. João. Também o 'Vale do Douro' merecerá especial atenção, com a continua- A partir de dia 15, João Trabulo exibe fotografias associadas ao filme Sem Companhia, rodado numa prisão de alta segurança ção do ciclo apresentado pelo arquitecto Mário João Mesquita: a última exposição denomina-se 'Por Terra de Sol e Dor' (29 Jan.). No próximo dia 15, João Trabulo mostra imagens associadas ao premiado filme Sem Companhia, rodado numa prisão de alta segurança, e que será exibido na Fundação de Serralves na inauguração.

    Estão ainda previstas parcerias com o Instituto Português de Fotografia e com a associação cultural Estação Imagem, de Mora, que promove o único concurso de fotojornalismo em Portugal. No final do ano, realiza-se uma «grande exposição» com imagens dos fundos e colecções do CPF.

    Em permanência, pode conhecer a colecção da instituição e integrar uma das visitas guiadas (gratuitas) que decorrem de terça a sexta-feira, sem hora marcada.

    Para conseguir uma maior aproximação ao público, as inaugurações têm coincidido com actividades próximas, como as feiras francas, o mercadinho dos Clérigos e o mercado de Porto Belo, a dois passos.


    Centro Português de Fotografia
    Edifício da Cadeia da Relação Campo Mártires da Pátria, Porto
    Tel. 222 076 310 - mm.cpf.pt
    De 3ª a 6ªf das 10h às 12h30 e das 15h às 18h; Sáb., Dom. e Feriados das 15h às 19h