Recortes de Imprensa

  • 17.06.2011
    Arganil.EU
    Oficina de Animação Mix República

    mix_oliveirahospital

    Irá decorrer, nos próximos dias 23, 24 e 25 de Junho, na Biblioteca Municipal de Oliveira do Hospital, a Oficina de Animação Mix República. As inscrições são gratuitas mas limitadas a 15 pessoas.
     
    MIX REPÚBLICA é um projecto original da MONSTRA – Festival de Animação de Lisboa co-produzido e apoiado pela Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República.
     
    Esta iniciativa, organizada pela MONSTRA – Festival de Animação de Lisboa, pretende desenvolver um conjunto de oficinas de cinema de animação dedicadas à história da I República iniciada com a revolução de 5 de Outubro de 1910.
    MIX REPÚBLICA é um projecto itinerante que irá percorrer, ao todo, cerca de 36 municípios portugueses ao longo de 2010 e 2011, prevendo a realização três sessões de oficinas em cada localidade, dirigidas ao público em geral e dinamizadas por profissionais da área do Cinema de Animação.
    A partir de motivos republicanos locais, como a toponímia, a arquitectura ou aspectos plásticos, as oficinas MIX REPÚBLICA pretendem realizar pequenos filmes de animação onde se combina o desenho animado com imagens reais, explorando as diversas técnicas do Cinema de Animação.


    Rebelo de Sousa Tavares

  • 14.06.2011
    BAME - Bibliotecas, Arquivos e Museus da Educação
    PUPILOS DO EXÉRCITO: 100 ANOS DE ENSINO E DE CIDADANIA

    No Palácio Valadares, ao Chiado, está patente ao público uma exposição que evoca o centenário da criação do Instituto dos Pupilos do Exército. Esta iniciativa conta com o apoio da Secretaria-Geral, que emprestou, para o efeito, alguns livros pertencentes à Biblioteca Histórica do Ministério da Educação.
    Esta exposição foi instalada num espaço contíguo àquele em que se encontra a exposição «EDUCAR: Educação para todos. O Ensino na Primeira República». Esta proximidade justifica-se pelo facto deste Instituto, criado em Maio de 1911, ser um expressivo exemplo do investimento dos republicanos na Educação e do seu empenhamento na criação de instituições escolares que traduzissem, na prática, o ideário e os valores da República.


  • 10.06.2011
    Diário do Minho
    Bandeira Humana celebra a República

    bandeirahumana

    O Agrupamento de Escolas de Palmeira acolheu, ontem, a iniciativa ‘Bandeira Humana’, integrada nas Comemorações do Centenário da República. Coordenada pelo Departamento de Educação Pré-escolar, o evento contou com a participação 243 alunos dos Jardins-de-Infância que integram o agrupamento. Como refere Filomena Sousa, educadora de infância responsável pela organização do evento e representante da Comissão para as Comemorações do Centenário da República, a actividade representa o “culminar das actividades desenvolvidas ao longo do ano”.
    As forças vivas da freguesia marcaram presença na actividade, como João Artur Russell Sampaio, presidente da Junta de Freguesia de Palmeira.

    Recorrendo a lenços e t-shirts vermelhas, verdes e amarelas, os alunos dos Jardins-de-Infância formaram a bandeira portuguesa no exterior da Escola EB 2,3 de Palmeira, cantando a letra d’ ‘A Portuguesa’. De acordo com Filomena Sousa, as crianças do Ensino Pré-escolar demonstraram empenho na realização das diferentes actividades apresentadas. “Contrariamente ao que se nota nos adultos, as crianças têm um orgulho enorme ao cantarem o Hino Nacional”, explica a responsável, acrescentando que os alunos “têm uma satisfação e um orgulho enorme em cantar o Hino Nacional”.

    Os alunos do 2º ciclo das turmas do 5º D, 5º G e 6º B interpretaram, ainda, o tema ‘A Portuguesa’ em linguagem gestual. Filomena Sousa recorda que os temas da identidade nacional e dos símbolos do país são abordados no Ensino Pré-escolar. “Este ano teve uma intencionalidade maior por causa das Comemorações do Centenário da República, o que, em termos de cidadania, é um trabalho muito importante”, realça adiantando que o trabalho se reflectiu nas famílias dos alunos através da partilha de conhecimentos.

    A Biblioteca Escolar acolheu a exposição de trabalhos de Expressão Plástica sobre o Centenário da República realizados pelos alunos do pré-escolar no âmbito do Plano Nacional de Leitura e do Plano Tecnológico da Educação, como “cartazes, inquéritos à família e diferentes registos da bandeira através da exploração das cores da bandeira nacional”, refere a responsável. A Biblioteca Escolar foi, ainda, palco da apresentação do livro digital baseado no ‘Conto Redondo’, criado pelos alunos dos Jardins-de-Infância do agrupamento.

    Maria Betânia Ribeiro

  • 04.06.2011
    Diário de Notícias
    «Noite Sangrenta» nomeada para Melhor Minissérie e Actriz

    noitesangrenta

    A minissérie encomendada pela RTP para celebrar o centenário da República Portuguesa, no ano passado, está nomeada nas duas categorias.

    A minissérie Noite Sangrenta está nomeada na categoria de Melhor Minissérie na 51.ª edição do Festival de Televisão de Monte Carlo. Realizada por Tiago Guedes e Frederico Serra, já tinha feito abertura no Festival Motel X, no ano passado, e em Abril deste ano recebeu o Prémio Autor da SPA para Melhor Programa de Ficção de Televisão 2010.

    Isabel Abreu, actriz que veste a pele da protagonista da história, está duplamente nomeada na categoria de Melhor Actriz: pelas suas prestações nesta minissérie encomendada pela RTP para celebrar a centenário da República Portuguesa e na série Pai à Força (pela qual também está indicada, na mesma categoria, Cláudia Oliveira).

    Esta série dramática, também emitida pela RTP, leva ainda a Monte Carlo mais duas nomeações: Melhor Produtor Internacional e Melhor Produtor Europeu para Jorge Marecos Duarte e Melhor Actor para Pêpê Rapazote e Sinde Filipe.

    por Ana Filipe Silveira

  • 03.06.2011
    REGIÃO DE RIO MAIOR
    Centenário da República assinalado em Rio Maior

    A leitura de uma notícia sobre a implantação da República, publicada no próprio dia 5 de Outubro de 1910, pelo antigo jornal O Século, e a audição do Hino Nacional, numa versão gravada em 1912, foram algumas das curiosidades que marcaram a "palestra ilustrada" sobre o centenário da República, que se realizou no passado dia 28 de Maio, na Biblioteca Municipal de Rio Maior. «A Amada Republicana» foi o título desta iniciativa. João Carlos Moreira Rijo, colaborador do REGIÃO it Rb Maier, procedeu à pesquisa que lhe serviu de base e coordenou a apresentação. Os seus amigos António Freire e Maria Alzira Soeiro acompanharam-no como oradores. De uma forma muito sucinta, foram referidos, com projecção de imagens da é-poca, diversos aspectos da história da Primeira Repúbli- ralizada", provocados por várias tentativas armadas de restauração da monarquia, à sangrenta partieipa- Sobre a bandeira, foram exibidas imagens de vários projectos alternativos que na época foram discutidos. Por- António Freire, Maria Alzira Soeiro e Moreira Rijo (depé). ção de Portugal na Primeira Guerra Mundial, e às breves ditaduras lideradas pelo general Pimenta de Castro, em 1915, e pelo major Sidónio Pais, em 1917/18. Estiveram em destaque os símbolos "que desde há cem anos nos acompanham ca, que vigorou em Portugal entre 1910 e 1926. Desde os vários períodos de "guerra civil, mesmo que não gene- e distinguem como cidadãos portugueses", a bandeira, o hino e o busto da República Portuguesa. tugal podia ter hoje uma bandeira muito diferente! Mas Moreira Rijo explicou as ori- Projecto de Joaquim Augusto Fernandes gens da bandeira verde e rubra que foi escolhida e que ainda hoje simboliza Portugal. Não eram apenas as cores do Partido Republicano, desde 1891. Já em 1385 tinham sido essas as cores do estandarte da Ala dos Namorados, que teve um papel fundamental na Batalha de Aljubarrota, um dos acontecimentos mais decisivos da História de Portugal. As cores verde e vermelho foram também utilizadas como símbolo de revolta contra a dinastia espanhola que governou Portugal entre 1580 e 1640. Moreira Rijo assinalou porém que as mesmas cores representavam uma corrente republicana que defendia a unificação entre Portugal e Espanha num único Estado de carácter federal. Em relação ao Hino Nacional, foi evocada a sua origem no ano de 1890. Surgiu como hino de exaltação nacionalista no quadro da contestação, hegemonizada pelo Partido Republicano, contra a cedência, pela monarquia portuguesa ao governo inglês, do domínio colonial do território entre Angola e Moçambique. Aliás, o refrão que conhecemos actualmente como "contra os canhões, marchar, marchar" era originalmente "contra os bretões (ingleses), marchar, marchar". Ao contrário do que aconteceu com os restantes símbolos nacionais, o uso do busto da República foi caindo em desuso, sendo, hoje, raro. Mas quando foi adoptado, em 1912, tornou-se o padrão oficial da imagem da República Portuguesa, sendo usado como efígie nas moedas de escudo e de centavos e colocado nas repartições públicas. A palestra «A Amada Republicana», coordenada por Moreira Rijo, já tinha sido apresentada duas vezes, no ano passado, em Lisboa. Primeiro na Sociedade Portuguesa de Naturalogia, e depois no Grupo Cultural e Desportivo dos Trabalhadores do Grupo Banco Espírito Santo. A sua realização em Rio Maior estava pensada há muito tempo. Mas foi sendo sucessivamente adiada. Até que calhou concretizar-se no passado dia 28 de Maio, precisamente no 85° aniversário do golpe militar que derrubou a Ia República. Moreira Rijo não deixou de realçar a coincidência, apontando os 48 anos "de ditadura militar. Estado Novo e ilusória "Primavera»" que em 1926 se abateram sobre a República Portuguesa, "que só o 25 de Abril de 1974 resgatou para os ideais da Liberdade, da Paz e da Democracia." Houve ainda espaço para a declamação de poemas de Manuel Alegre, Florbela Espanca, Sophia de Mello Breyner, Guerra Junqueiro e Ruy Belo - este último apresentado não apenas como um "filho grande deste concelho" mas também como "uma figura maior das letras lusófonas".

    Luis Carvalho

  • 03.06.2011
    Lusa
    António Simões (A Bola) vence prémio Norberto Lopes da Casa da Imprensa

    António Simões, do diário desportivo A Bola, venceu o prémio de reportagem "Norberto Lopes", atribuído pela Casa da Imprensa, com o trabalho "Jogos do Centenário", publicado entre janeiro e dezembro de 2010, noticiou a instituição.

    O prémio, no valor de três mil euros, é relativo ao biénio 2009/2010 e destina-se a premiar "um trabalho de reportagem classificado de exemplar qualidade" publicado em jornais e revistas nacionais.

    O júri, constituído pelos jornalistas Armando Pereira da Silva, Joaquim Letria, José Leite Pereira, Sandro Arruda e Sónia Morais, justificou a escolha com o facto de ser "o que mais respeita a memória de Norberto Lopes".

  • 01.06.2011
    A Bola
    António Simões vence prémio Noberto Lopes

    premioAntonioSimoes

    O jornalista António Simões foi ontem o vencedor do Prémio Norberto Lopes (um dos mais prestigiados jornalistas do século XX) destinado a premiar «um trabalho de reportagem classificado de exemplar qualidade» publicado em jornais e revistas nacionais em 2009 e 2010.

    António Simões distinguiu-se com o trabalho Jogos do Centenário: foram 12 suplementos publicados em A BOLA em 2010, passando em revista as interligações entre o desporto e a política, descobertas através de um ano de investigação e reportagem, que, como Joaquim Letria (um dos membros do júri) salientou «teria certamente orgulhado Norberto Lopes, o seu patrono» e um dos ícones da reportagem em Portugal.

  • 31.05.2011
    Correio do Minho
    PRAÇA DA REPÚBLICA ACOLHE EXPOSIÇÃO "VIVA A REPÚBLICA!... EM DIGRESSÃO"

    A Praça da República em Ponte da Barca local acolhe de amanhã a sexta-feira, a exposição "Viva a República!...em digressão". A mostra, é dedicada à história da I República, um dos períodos mais marcantes da história recente de Portugal, e que a 5 de Outubro de 2010 comemorou o primeiro centenário da sua implantação. A exposição "Viva a República!...em digressão" percorre cerca de 100 concelhos de todo o país, tendo iniciado o seu trajecto em Setembro de 2010 e permanecendo durante aproximadamente um ano em itinerância.

  • 31.05.2011
    Correio do Minho
    PRAÇA DA REPÚBLICA ACOLHE EXPOSIÇÃO "VIVA A REPÚBLICA!... EM DIGRESSÃO"

    A Praça da República em Ponte da Barca local acolhe de amanhã a sexta-feira, a exposição "Viva a República!...em digressão". A mostra, é dedicada à história da I República, um dos períodos mais marcantes da história recente de Portugal, e que a 5 de Outubro de 2010 comemorou o primeiro centenário da sua implantação. A exposição "Viva a República!...em digressão" percorre cerca de 100 concelhos de todo o país, tendo iniciado o seu trajecto em Setembro de 2010 e permanecendo durante aproximadamente um ano em itinerância.

  • 30.05.2011
    Câmara Municipal de Montalegre
    Mix República

     

    MONTALEGREMIX

    Integrado na XII edição da Feira do Livro de Montalegre, o Centro de Estudos de Barroso – Teatro e Tradições acolhe uma "Oficina de Cinema de Animação" sobre a Republica nos dias 1,2 e 3 de Junho no stand do CEB – TT no Pavilhão Multiusos. Esta oficina será realizada pela MONSTRA - Festival de Animação de Lisboa, em parceria com a comissão para as comemorações dos 100 anos da República (CNCCR). Esta ação é dirigida a toda a comunidade a partir dos 13 anos.

    Entre outras atividades, a XII Feira do Livro de Montalegre, evento a realizar de 30 de Maio a 3 de Junho, conta nesta edição com uma "Oficina de Cinema de Animação" sobre a Republica, aposta a ter lugar de 1 a 3 de Junho no stand do CEB – TT no Pavilhão Multiusos.

    Referir que a formação está integrada no projeto MIX República, onde é feita a realização de oficinas em todo o país (36 municípios) a partir dos motivos republicanos (toponímia, arquitetura, aspetos plásticos e sociais, etc...) de cada localidade. Estes motivos serão o mote para a realização de pequenos filmes de animação feitos pela população – crianças, jovens e adultos de cada localidade, gratuitamente.

     

    INICIATIVA ABRANGENTE

    O MIX República «é um projeto que integra a exposição itinerante "Viva a República!" e irá anteceder a exposição em algumas das localidades por onde esta vai passar». As oficinas «serão realizadas no decorrer de nove meses consecutivos sempre antecedendo, em alguns dias, a chegada da exposição itinerante a cada local. As oficinas serão apoiadas por informações pedagógicas que poderão ser consultadas no site da MONSTRA e no portal da CNCCR. http://oficinas-mix.centenariorepublica.pt

     

    INSCRIÇÕES
    276 510 203 / 937 218 541
    ceb-tt@cm-montalegre.pt