António Xavier Correia Barreto

António Xavier Correia Barreto nasceu no dia 5 de Fevereiro de 1853 em Lisboa. Com 17 anos integrou voluntariamente o Regimento de Infantaria, tendo permanecido como soldado entre 1870 e 1874, altura em que foi promovido a alferes-aluno da Arma de Artilharia.
Prosseguiu os estudos na Escola Politécnica, onde foi aluno de António Augusto de Aguiar, a quem dedicou o seu manual de Química, Elementos de Química Moderna em 1874. Veio a pedir transferência para a Escola do Exército, para concluir o Curso da Arma de Artilharia.

Em 1885, publicou um estudo sobre pólvora com tanto rigor e qualidade que ficou encarregado de orientar a produção de munições com pólvora e sem fumo. A pólvora ficou conhecida por "pólvora Barreto". Nomeado director de uma fábrica de pólvora, veio a integrar mais tarde o Conselho de Administração Militar e para o Depósito Central de Fardamentos

António Xavier Correia Barreto, que era conhecido pelas suas ideias republicanas, foi convidado pelo almirante Cândido dos Reis para a comissão organizadora da revolução de 1910. Após a revolução, foi nomeado Ministro de Guerra do Governo Provisório logo a 5 de Outubro de 1910, cargo que exerceu até 1911 e também entre 1912 e 1913. Em 1913, passou a ocupar o cargo de presidente da Câmara Municipal de Lisboa. Promovido a General a 20 de Junho de 1914, candidatou-se à Presidência da República em 1915 e em 1919, mas nunca foi eleito. A 16 de Fevereiro de 1920 foi eleito senador e Presidente do Senado cargo que ocupou até 1926.

António Xavier Correia Barreto morreu a 15 de Agosto de 1939, em Sintra.

Autoria: Plano Nacional de Leitura