Alfredo Keil

Autor da música A Portuguesa - hino nacional

Alfredo Keil nasceu em Lisboa no dia 3 de Julho de 1850. O pai, João Cristiano Keil, era alemão e tinha-se instalado em Portugal ainda solteiro, em 1838. Tornou-se um dos alfaiates mais famosos daquele tempo e casou com uma rapariga de origem alemã, Maria Josefina Stellflug.

Alfredo estudou no Colégio Britânico e desde pequeno mostrou ter muito talento para o desenho e para a música. Fez a primeira composição musical aos 12 anos: Pensée Musicalé. Quando terminou o liceu foi estudar Artes para a cidade de Nuremberga na Alemanha. Estudou desenho na Academia dirigida pelo pintor Kremling e música com o célebre Kaulbach. Em 1870 regressou a Portugal e voltou às aulas de desenho com Prieto e Miguel Lupi.

Alfredo Keil teve grande sucesso a nível nacional e internacional. Em 1874 recebeu duas medalhas da Sociedade Promotora de Belas Artes e em 1876 os seus quadros Sesta e Meditação foram premiados com medalhas de prata. No ano seguinte o seu quadro Melancolia recebeu uma menção honrosa numa mostra em Paris e em 1879 recebeu a medalha de ouro numa exposição no Rio de Janeiro. Em Madrid foi condecorado com a Ordem de Carlos III e em Portugal o rei D. Luís condecorou-o com a Ordem de Cristo.

A par da actividade como pintor também se dedicou à música. Em 1883, estreou-se no Teatro Trindade com a ópera cómica Susana, no ano seguinte a sua cantata Patrie foi executada por um grupo de amadores no Coliseu. A Real Academia de Amadores de Música executou no Salão Trindade, em 1885, o seu poema sinfónico Uma Caçada na Corte. Também nesta área Alfredo Keil teve sucesso, as suas músicas, sobretudo as óperas, foram apresentadas nos teatros mais importantes, do Brasil, de Itália e de Portugal, tendo mesmo feito apresentações para o rei D. Luís.

Em 1890, o ultimato inglês inspirou Alfredo Keil que deu voz à indignação geral compondo "A Portuguesa". Henrique Lopes de Mendonça escreveu para esta música o poema Heróis do Mar, que se tornou popular em todo o país e veio a ser adoptada pela Assembleia Constituinte como hino nacional da República Portuguesa em 1911.

Mas Alfredo Keil não chegou a saber porque morreu em Hamburgo a 4 de Outubro de 1907 onde tinha ido submeter-se a uma operação cirúrgica.

Autoria: Plano Nacional de Leitura