A Implantação da República nos Açores durante a Belle Époque

Data de publicação: 
18.04.2011

Exposição
A Implantação da República nos Açores durante a Belle Époque

Local: Centro Municipal de Formação e Animação Cultural de Vila Franca do Campo, Galeria Dr. Augusto Simas
Inauguração: 20 de Abril de 2011 às 20h30
Período de exibição: 20 de Abril a 17 de Maio de 2011
Horário: 2ªf a 6ª das 9h00 às 20h00
http://www.cmvfc.pt/

Organização: Município de Vila Franca do Campo e Centro Cultural

Em 1910, é implantada a República em Portugal. Depois de oito séculos sob batuta monárquica, o país encontra-se em grave convulsão política. A Europa, alimentada por um crescimento demográfico e económico sem precedentes, é liderada por países como a Inglaterra, Alemanha e França, que lidam mal com o protagonismo colonial do pequeno e periférico Portugal. A questão colonial, centrada em África, publicita de forma veemente o novo xadrez da política internacional. O Ultimato inglês, em 1890, pinta de negro o mapa cor-de-rosa que Portugal tinha traçado entre as costas de Moçambique e de Angola. Neste contexto, a agonia monárquica é cada vez mais pública e as críticas à incapacidade do regime gizam o assassinato do rei D. Carlos e do seu primogénito. D. Luís, em 1908.

O partido republicano que, desde finais do século XIX, possuía representação parlamentar, assume as rédeas dos desiludidos e conduz ao 5 de Outubro republicano. Contudo, a alteração da estrutura política, que a Constituição de 1911 formalizou, não buliu com as estruturas sociais, económicas e culturais do país. As medidas republicanas mais radicais, como as que são dirigidas contra a Igreja Católica, cedo são amenizadas face ao peso das resistências do antigo Portugal monárquico. A Primeira Guerra Mundial e a nova ordem mundial que dela nasce exigem respostas eficazes da jovem República, mas esta não parece ter a maturidade que os tempos exigem. Morre nova, pois, a I República, com dezasseis anos apenas. O golpe militar de 1926 inaugura uma nova etapa, com outros contornos e outros protagonismos...