Exposição: A Voz das Vítimas

Data de publicação: 
03.03.2011

Exposição:
A Voz das Vítimas

Local: Lisboa, antiga Cadeia do Aljube, Rua de Augusto Rosa, n.º 40, 1100 Lisboa
Inauguração: 14 de Abril de 2011 às 18h
Período de exibição: 14 de Abril a 5 de Outubro de 2011
Horário: 3ªf a Dom das 10h às 18h. Encerra à segunda-feira.
Visitas guiadas: todas as 3ªf às 15h (mediante marcação no local ou por e-mail
info@aljube.net)
Entrada livre
Mais informações:
www.aljube.net

Organização: Fundação Mário Soares, Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e Movimento Cívico Não Apaguem a Memória!

Apoios: Câmara Municipal de Lisboa, Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República, Imprensa Nacional Casa da Moeda, Ministério da Cultura, Mota-Engil

Parcerias: Direcção-Geral de Arquivos, RTP

Sinopse
A exposição A Voz das Vítimas pretende constituir uma afirmação de cidadania na preservação da nossa memória histórica. Para tal, e em estreita colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa, os seus organizadores puderam utilizar as instalações da antiga Cadeia do Aljube, emprestando assim especial ênfase ao significado que pretendem imprimir a esta exposição. Para o efeito, aproveitou-se a parcela do piso térreo susceptível de utilização, devido a alguns condicionamentos decorrentes das escavações ali realizadas, o 1.º andar foi recuperado sem alterações significativas da organização do espaço tal como se encontrava em 2009 e, finalmente, foi possível proceder a uma intervenção parcial no 2.º andar, de modo a que aí pudessem ser recriados 6 curros (dos 14 anteriormente existentes).

Módulos principais
R/C
História patrimonial do edifício
Peças e vestígios arqueológicos
O Parlatório – reconstituição cenografada
Utilização do Aljube durante a ditadura Loja (na saída)

1.º ANDAR
Estrutura e organização da polícia política
Desterros do Império
Principais instrumentos de repressão
A utilização sistemática da tortura
Tribunais políticos 48 casos exemplares
Sala multimédia

2.º ANDAR
Os Curros – reconstituição cenografada
Fugas do Aljube e de outras prisões políticas

Os conteúdos da exposição – escritos e audiovisuais – resultam das mais recentes investigações históricas realizadas sobre o tema, sem olvidar a relevância dos testemunhos dos que sofreram durante 48 anos a repressão. Outros factos e outras pessoas e situações terão ficado por referir, mesmo podendo justificar-se a sua inclusão nesta exposição. Mas houve que fazer escolhas, no tempo, no espaço e com os meios disponíveis, sempre à luz de critérios do maior rigor histórico e procurando traçar o percurso plural da resistência ao fascismo, seguros de que surgirão outros contributos para o que entendem ser o dever cívico de prestar homenagem às Vítimas e à sua Resistência. Programação Sessões de cinema e documentário na sala multimédia do edíficio do Aljube, em data e horário a anunciar. Conferências 21 Abril 2011 História Patrimonial do Edifício, pelo arqueólogo Clementino Amaro 28 Abril 2011 PVDE/PIDE/DGS, pela historiadora Irene Pimentel 5 Maio 2011 Os Métodos e organização da PIDE, por Alfredo Caldeira, administrador do Arquivo e Biblioteca da Fundação Mário Soares. Outros temas e autores de novas conferências serão divulgados oportunamente no local ou em www.aljube.net.